Desapego Amoroso - É difícil mas não impossível!!

by - fevereiro 17, 2016

Hello, a todos os que me acompanham! Tudo bem com vocês? Espero sinceramente que sim!! :)

Eu tenho estado bastante ausente, como já devem ter reparado (ou não)! Por este lado a vidinha não tem estado nada fácil. Problemas de saúde com os pais deixam-nos sempre com o coração apertado e a bater a mil à hora. Há alturas em que tudo nos vem à cabeça, o medo consome-nos e vamos ainda mais a baixo. E eu que pensava isso ser impossível, mas parece que ainda se pode descer mais um pouco! A nível emocional, creio ter batido quase no fundo do poço. Dias sucessivos na cama, pouco comi e até a toma da medicação foi afectada. Praticamente só comia ao jantar e era nessa altura que a tomava. ERRADAMENTE, não tomei a mesma nas outras refeições. Por favor, não façam isso! Sigam as indicações do vosso médico e não caiam no mesmo erro que eu! Há cerca de um mês iniciei a toma de um estabilizador de humor que, apesar de tudo, tem-me ajudado a manter-me mais estável e equilibrada, sem passar pelos ataques de choro, tristeza e desânimo constantes. É certo que parte do que me colocava ansiedade e medo de ir em frente, já não está presente neste momento, mas sei que irá aparecer daqui por uns meses e espero, muito sinceramente, que possa controlar estes sintomas com mais facilidade e brevidade.

A nível amoroso/sentimental decidi cortar as amarras que me ligavam a uma pessoa que conheci há 1 ano e uns dias. Por incrível que pareça é a única pessoa cuja data em que nos conhecemos eu consigo recordar. Já tive namorados em que não me recordava desse dia em que nos vimos pela primeira vez, a bem dizer aconteceu com todos! No entanto, este marcou-me de uma forma demasiado avassaladora. Foi uma paixão como nunca tinha vivido em 35 anos. Amor, não foi certamente! Agora posso ver que a paixão me cegou, criei uma ilusão na minha cabeça, a imagem de uma pessoa que não correspondia de todo à realidade. A paixão toldou-me os sentidos e a capacidade de raciocínio. Nunca tal me tinha acontecido! A pessoa que eu criei e imaginei não existia, ele não é nem nunca foi aquilo que eu erradamente idealizei. Contudo, passei 2 ou 3 momentos bons em que "realmente fui feliz" na minha ilusão. Infelizmente, não compensa todo o restante, o que me fez sofrer e pela primeira vez chorar por um homem! A partir do momento em que me faltou ao respeito, revelou ter uma total falta de valores morais e educação, não é o facto de se ter um pós doutoramento que faz de nós melhores pessoas (educação vai muito para além do nível de escolaridade), demonstrou um egocentrismo e egoísmo como nunca vi e tanto mais eu podia relatar nesta publicação. (Não vale a pena pensar mais nisso!) Suportei, desculpei vezes sem conta e não quis ver a verdade. Enganei-me e pensei que poderia ser diferente, até ao dia em que compreendi que nunca ia mudar. De um momento para o outro e sem qualquer razão deixou de falar comigo, de responder advertida e propositadamente. Nesse dia disse: "BASTA!". Para quê andar a correr atrás de quem está bem sem a minha companhia e amizade? Quem sempre me tratou como uma call girl (este é o termo mais suave que posso utilizar), pois houve alturas em que me senti uma "prostituta"! É mau por demais quando apenas nos ligam na altura em que precisam de nós, do nosso carinho e atenção. De resto, não se preocupam minimamente em saber como estamos ou vamos. Foi o pior que me fizeram sentir nesta vida, um objecto, uma "coisa" que tinha à mão quando necessitava, enfim, uma verdadeira call girl que ainda por cima lhe ficava de borla. Na minha santa ingenuidade e cegueira ainda ia buscar o menino ao centro de investigação, aqui e acolá para que não perdesse muito tempo em transportes. É terrível a forma como nos humilhamos e rebaixamos quando estamos cegos de paixão, quando nos recusamos a ver a realidade e passamos a viver uma ilusão, a sonhar com a mudança que nunca vai ocorrer, apenas na nossa mente imaginativa e sonhadora. Permiti e desculpei tanta coisa, julguei que o deveria fazer. Coitado não estava a passar por um bom momento, não estava bem psicologicamente, etc. Sempre desculpas umas atrás das outras, até que não aguentei mais e decidi que jamais o iria voltar a procurar.

Se tem sido fácil? Não, de todo! Será um processo lento e gradual de desapego! Durante este tempo (1 ano) perdi muita autoestima, desmoronei aos poucos pensando que a culpa era minha por não ser suficientemente boa, por não ter esta ou aquela qualidade, o emprego xpto e as curvas no lugar certo e desejado. Menosprezei-me diariamente, abafei e colmatei o vazio emocional com porcarias, alimentos imensamente calóricos, que me saciavam e davam um prazer momentâneo. Por breves instantes a realização da compulsão alimentar acalmava-me a ansiedade por não ter notícias dele, por não receber uma mensagem e estar sempre à espera da mesma. Depois vinha o mal-estar que se segue a quem come compulsivamente, o peso na consciência, o facto de não ter conseguido resistir à tentação, os vómitos, enjoos e afins e claro, o aumento de peso que a balança fez questão de relembrar e que me fez reviver tudo o que se passou há uns anos atrás. Este é um bom exemplo de um ciclo vicioso, em que um comportamento gera um sentimento, que por sua vez, nos leva à atitude inicial. Passei a detestar ainda mais o que via ao espelho, as roupas que já não serviam e nem apertavam. Foi um bom punhado de kilos ganhos enquanto tentava tapar o vazio. Teria sido bem mais inteligente se tivesse utilizado essa tristeza, angustia e até raiva em prol da minha saúde. Podia ter aproveitado para cuidar de mim, correr ou caminhar que nem uma doida para colocar o stress de lado e descarregar as frustrações. Infelizmente, acabei por me mal tratar, por me magoar e penalizar comendo em excesso, deixando de cuidar de mim, passando dias na cama isolada do mundo. Não façam isso por ninguém!! Cuidem de vocês e amem-se acima de tudo! É o que eu tenho estado a fazer, a adquirir aos poucos amor próprio, estima e alegria de viver.

Sabem quando se deu o tal clique? Quando li dois textos, um da Nita Domingos e outro do Iandê Albuquerque (Blog.: Além do Sol) e nesse instante resolvi que estava na hora de tomar uma decisão seguir com ela em frente e não voltar atrás um único instante que fosse! E assim tem sido, sem remorsos nem dúvidas pois descobri que essa decisão revestiu-me gradualmente de tranquilidade, paz de espírito e serenidade como já não sentia há um ano. Não é fácil, não! Mas neste instante estou mais calma e serena! Se soubesse que ia ser assim teria tomado este rumo há mais tempo, mas a verdade é que aprendemos com os erros. Agora segue-se um período de reconstrução do que foi totalmente abalado: o amor-próprio!
Aqui vão os textos que me fizeram tomar a decisão de seguir com a minha vida e desapegar-me de quem tanto me fez sofrer e que julgava amar:

Há pessoas que tens de deixar ir, deixar partir, deixar de correr atrás. Mesmo que te custe (e às vezes custa tanto), mesmo que doa, mesmo que tremas só de pensar, mesmo que não queiras, mesmo que gostes muito. Sabes porque tens de deixar ir? Porque já não sabes quem és, já não te conheces, já vais contra aquilo que outrora desejaste, já vais contra os teus valores, já vais contra a tua vida. Já não consegues um equilíbrio saudável, ou é oito ou oitenta, ou é tudo ou nada, ou chega com promessas ou se vai e quebra-as a todas de uma vez. Mais tarde ou mais cedo essa incoerência pesa-te, a tua capacidade de perdoar começa a escassear e quando dás por ti salta-te a tampa, exasperas e perdes o rumo e o controlo de ti. É isso que é perigoso. É quando vais contra ti, quando não acreditas em ti, quando te manipulam e passam demasiadas vezes por cima dos teus sentimentos, que tu sabes (mesmo que não sintas) que é altura de pôr um stop, de te livrares desse peso, e retomares a fé na vida, sem remorsos, sem ressentimentos, mas com a certeza que o que mereces é diferente do que obténs.
(Nita Domingos)


"O tempo passou e as lições da vida apareceram. Eu amadureci, já não sou aquela trouxa que você conheceu, já não tenho aquela ingenuidade tamanha, e você tem um pouco de culpa nisso. Talvez você já nem seja o canalha de antes, duvido muito, mas vai saber! A vida vai mostrar-te quem fez a escolha errada e por favor, não a culpe se alguém te decepcionar como você me decepcionou, porque estarei aqui para provar que oportunidades você teve, só não soube aproveitar. Você poderia ser o amor da minha vida, mas preferiu ser a minha maior decepção. Eu sigo em frente, caminho recto, sem nem olhar para trás. As perguntas que um dia te fiz e ficaram sem respostas, deixa para lá, já nem me importam mais."
(Iandê Albuquerque - Blog.: Além do sol.)

Obrigada Nita e Iandê por saberem descrever tão bem os sentimentos e pensamentos que nos vão na alma e por terem contribuído para a minha mudança de rumo!

Vamos continuar na luta por dias melhores, mais solarengos e felizes! Não há homem ou mulher que valham as nossas lágrimas e sofrimento! Acreditem!! São dias, meses e anos perdidos que não voltam e que poderíamos ter aproveitado de uma forma mais proveitosa e gratificante.

Antes de terminar esta publicação, quero partilhar convosco a Lei do Desapego.

A lei do desapego é natural e única para cada pessoa. Para dar início ao desapego amoroso na tua vida, precisas entender, aceitar e praticar esses três pilares:
  1. Desapegar
  2. Esquecer
  3. Recomeçar
Desapegar - O dicionário diz que o significado de desapegar ou desapego é: perder o interesse, deixar de sentir atracção por algo, libertar-se. É exactamente isso que precisamos fazer quando queremos partir para uma nova história na nossa vida. Uma dica muito interessante para quem quer desapegar é construir novas amizades, aumentar o ciclo de pessoas.

Esquecer - Este é o mais difícil de todos. O dicionário diz que esquecer nada mais é que perder a lembrança de uma pessoa, um momento vivido, deixar de pensar. Bem, eu tenho uma ideia e acredito que outras pessoas pensem de igual forma: é impossível esquecer-se de momentos vividos e compartilhados com pessoas que no passado foram extremamente importantes na nossa vida. Eu pretendo manter esses momentos na minha mente, pois fui feliz ainda que por breves instantes ou de forma ilusória. Não quero esquecer os momentos, mas sim a pessoa com quem os vivi. (Pode parecer contraditório, mas não o é!) Diminuir a importância e significado que teve na minha vida face ao que me fez sofrer. Colocá-los no passado onde estão e devem permanecer como parte da minha história de vida.

Recomeçar - O último dos três pilares do desapego é em minha opinião o mais fácil de todos. Para recomeçar não precisamos de um empurrão, de ajuda de terceiros. O recomeço depende apenas de nós, por isso creio veementemente que seja o pilar mais fácil. A motivação está dentro de nós, só precisamos de a despertar!



Acreditem e tenham confiança em vós mesmos, nas vossas capacidades e no valor que têm!!


Beijos e abraços! Até breve!!

You May Also Like

3 comentários

  1. Muito bom. Vai em frente, tens capacidades para renovar todas essas situações. Empenha-te nos estudos e Deus vai-te abençoar a encontrar a pessoa certa, de carater e excelente formação. Um grande abraço e bênçãos de Deus na tua afirmação que resolves-te tomar.

    ResponderEliminar
  2. Olá Anocas, olha eu também mudei para outro estabilizador de humores. Vou ser-te honesta. Acho que este funciona muito bem, embora a médica ainda me queira aumentar a dose, ou já levei tantos pontapés da vida, que já levo tudo na maior, vá-se lá saber ... Uma coisa, apercebi-me se calhar não vou abaixo assim tão facilmente, afinal de contas poderia mostrar-te duas mensagens privadas que recebi bem longas onde tudo ali era desapontamento para comigo. Nos primeiros dias afetou-me. Depois fiz como tu, " longe da vista, longe do coração " e as coisas acabam sempre por ficarem mais serenas. Por aqui - sem emprego - vai tudo muito difícil mas olha já deixei na mão de Deus, salvo seja ! Tens de ter força para seguir em frente. Eu cheguei a mesma conclusão que tu; os homens são frustrantes, acho que ao invés de nos ajudarem só nos trazem problemas , mesmo a Kms de distância, irra lá para a raça: nós mulheres somos carentes, volúveis, precisamos de atenção, também sentimos grandes ciúmes, ou seja, tudo isso ao quadrado X homens só nos dá dores de cabeça. Dedica-te a seres tu própria que tens muito para dar a ESTE MUNDO e a tua família que tu tanto amas. Gajos ? Minha amiga ! Vão e vem, tal como as estações

    ResponderEliminar
  3. Vanessa, estes últimos meses passei por tanta coisa que nem te passa pela cabeça. Temos tido menos contacto, mas aos poucos vou colocando-te a par. Temos de cuidar primeiro de nós, estabilizarmo-nos, acima de tudo amarmo-nos e não permitir que tenham determinados comportamentos connosco. Focarmo-nos naquilo que gostamos e lutar por isso. Estou tão, mas tão desiludida com os homens que têm aparecido na minha vida nestes últimos tempos, que um dia destes ainda viro freira de clausura para não ter de levar com determinadas pessoas. lol

    ResponderEliminar