Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2016

Sozinhos Somos Inteiros #2

Já passa das 2h da manhã e ainda não consegui adormecer. Quando me deito, o fluxo de pensamentos continua a manter a sua velocidade alucinante. Tenho demasiada dificuldade em entrar no sono e parar de pensar por uns momentos. Mais uma vez aqui estou, como tantas outras vezes, a reflectir e estruturar aquilo que sinto. Creio que vou ter de voltar a fazer meditação na tentativa de abrandar e poder assim relaxar quando chega a noite. Com este texto pretendo dar continuidade a uma outra publicação na qual abordei o mesmo tema (Sozinhos Somos Inteiros, 25 de Março de 2016).


Hoje disseram-me o seguinte: "És tudo aquilo que eu quero numa mulher e também aquilo que preciso!". Em tempos idos, dizerem-me algo assim seria uma linda declaração de amor pela qual me derreteria e ficaria lisonjeada. Hoje em dia, deixa-me a pensar e a matutar pelo facto da pessoa em causa ainda não ter percebido o seguinte: ✴ "Eu Quero", primeira pessoa do singular do verbo querer no presente do i…

O galo Galaró: Uma metáfora sobre o sexo masculino

Olá a todos! Como têm estado? Bem dispostos?  Depois de um fim-de-semana prolongado e recheado com um sol tão bom, com temperaturas super agradáveis, nem apetece recomeçar a semana de trabalho. As baterias estão carregadas, vamos à luta? :)
Vamos ao motivo que me levou a esta publicação. É uma metáfora, mas tem o seu lado verídico e todas nós já nos cruzamos com alguns destes exemplares. Antes de mais, espero que os homens que estejam a ler esta publicação não me levem a mal! Felizmente, nem todos são iguais e há muitas e boas excepções neste mundo!!
Se há coisa que não suporto é o comportamento masculino que se assemelha ao galo de capoeira. Sabem, aquele galo que se encontra no meio de umas tantas galinhas e vai bicando aqui e ali na expectativa de acasalar com uma delas? Pois bem, também há exemplares de Homo sapiens do sexo masculino que, apesar de pertencerem a uma espécie bem mais complexa e detentora de características únicas, comportam-se como uma ave de capoeira.  Vão galand…

Saudade...

Ai esta música! Como a adoro! No entanto, não consigo conter as lágrimas de cada vez que a ouço...

(Letra)
Agora sei que me estás a ouvir Entre as estrelas vens ensinar-me a sorrir
Porque agora sei, estás onde és feliz
Vemo-nos por aí
(Yeah) Tu foste demasiado cedo, nem uma pomba branca Eu tou aqui com um nó de marinheiro na garganta Disse a Deus pra te guardar mas foi tudo tão veloz Uns dizem que morreste, eu digo que tu vives em nós E por mais que se fale, os sacrifícios são teus E quanto ao resto ninguém sabe Infindáveis são os desígnios de Deus Eu espero que o Céu receba as minhas palavras de revolta Não há lágrimas que eu verta que te possam trazer de volta Tantas lições que eu retiro ao recordar e ver a vida se escapar de ti num último suspiro Foi cruel e foi tão cedo Ainda encontraste forças para nos confortar a todos e dizer "não tenham medo" Pa termos fé naquele que te fortalece E todos juntos, em círculo, fizemos uma prece

Um grito preso na garganta

Maternidade/Paternidade...  Quantas(os) de vocês já tiveram o prazer de experienciar esta dádiva da Vida, de Deus ou do que lhe queiram chamar?
Infelizmente, ainda não fui abençoada por esta maravilha de ver e sentir um ser por nós gerado a crescer dentro da nossa barriguinha. Deve ser uma experiência fantástica, indescritível até ao momento em que tal aconteça. Sempre desejei ter filhos, aliás uma família grande! Quatro ou cinco seria perfeito para mim, mas um sonho irreal dadas as perspectivas quanto ao futuro que se avizinha.

Adoro estar com crianças, cuidar, mimar, dedicar todo o meu tempo (dentro do que é possível) e imagino-me a ser mãe desde sempre, desde que me conheço como gente! A partir dos 25 anos essa vontade intensificou-se e hoje com 35 anos tornou-se muito maior, de tal forma que me dói, sinto uma enorme tristeza por ainda não ter vivenciado a maternidade. Só quem deseja e muito ser mãe e ainda não teve possibilidade para tal é que imagina a tristeza que se sente lá n…

Escuta o teu coração!

Um enorme OLÁ a todos vocês que têm uma grande paciência para aturarem os meus desabafos!  Espero que estejam bem, animados e com força para enfrentarem o resto da semana!!
Hoje a partilha será bem mais curtinha que o habitual. Prometo não falhar! :)
Há cerca de 5 anos, ensinaram-me algo que é fundamental aplicarmos na nossa vida e que eu não o fazia de todo. Daí passar a vida infeliz, angustiada, sem esperanças e perspectivas de viver em pleno, de me sentir realizada e preenchida interiormente. O lema, a frase que serve de guia e de motivação é o seguinte: 
"Escuta o teu coração e segue sempre aquilo que ele te diz. Ele jamais te engana!"



Inicialmente, fiquei com a nítida ideia de que era mais um cliché de um qualquer guru perito na arte dos sentimentos e permaneci um pouco à defesa duvidando do mesmo. No entanto, chegamos a uma fase da vida em que pouco mais temos a perder e resolvemos arriscar, mesmo quando pensamos que vamos dar um salto para o desconhecido e não sabemos…

A Banalização do Amor

Olá a todos!!  Tiveram um bom fim-de-semana? Preparados para mais uma semana de trabalho e/ou estudo? Espero que já tenham recuperado as energias e recarregado as baterias suplementares para enfrentar mais uma semana que se avizinha!
A maldita da preguiça tem tomado conta de mim e tenho andado a procrastinar a escrita no blogue. Estou em falha, admito que tenho de resolver esta luta que travo dentro de mim e dedicar um pouco mais do meu tempo aquilo que realmente gosto de fazer.
O que começou com um pequeno desabafo numa  rede social (página pessoal do facebook) acabou por dar lugar a um texto que tomei a liberdade de partilhar com todos vós aqui no blogue.
Ora aqui vai ele:
Este pequeno texto vem de encontro ao que ultimamente tenho partilhado com os meus amigos: a forma como o Amor é banalizado, a facilidade com que se diz "Amo-te" sem conhecer uma ínfima parte do outro, o que mais tarde ou mais cedo, traz inúmeras desilusões. Supervaloriza-se o outro num ápice, conhecendo-o ap…